Faltam 3 meses para terminar o ano. E aí? Tudo bem?

Estamos saindo de pouco mais de um ano e meio de pandemia e é possível que algumas coisas na sua vida ainda estejam soltas, tais como a nova maneira de viver, de pensar, de agir, de trabalhar e de interagir com todos, e tudo isso ainda pode não estar num modelo 100% confortável para você.

É importante fazer um balanço de vida de tempos em tempos, assim podemos ter uma melhor gestão da vida, mas se este tipo de comportamento ainda não faz parte da sua rotina, não se desespere, ainda está em tempo de você começar a fazer disso um hábito, e não só deixar essa revisão de vida só para quando o fim de ano se aproxima. Por este motivo criamos este check list exclusivo com 8 dicas para você fechar 2021 com chave de ouro, veja:

  1. Não se desespere, a vida acontece todo dia e a gente pode ajustar o rumo sempre!
  2. Veja o que você conseguiu realizar até agora e comemore suas conquistas.
  3. Veja o que você ainda deseja realizar e se planeje.
  4. Faça acordos com você mesma/o.
  5. Lembre-se que você tem 3 meses até dezembro e não 3 anos, então cuidado com o tamanho da meta.  
  6. Se necessário, envolva sua família ou pessoas do trabalho para te ajudarem nas metas que você ainda deseja alcançar neste ano.
  7. Seja realista com os prazos pois tem coisas que você tem que fazer, isto é, coisas que já existem na sua agenda e que são inegociáveis pois só dependem de você.
  8. Como são só 3 meses e dezembro ainda por cima é um mês mais curto por conta das festas, coloque uma ou duas metas pequenas e deixe as maiores para o ano que vem, assim você não se frustra.

Esperamos ter lhe ajudado, sucesso sempre!

Por Cristiane Belfiore – Personal Organizer – Especialista em Organização pessoal e Negócios

Dicas para Economizar no Supermercado

Passamos por um período de alta considerável nos preços dos alimentos e este aumento vem impactando diretamente no nosso orçamento doméstico. E para adaptar esta sucessão de variação de preços, está sendo um desafio e tanto.

Como continuar se alimentando de forma saudável e com a qualidade de que tanto gostamos sem extrapolar o orçamento? Como conseguiremos adaptar nossas contas a tantas mudanças nos preços da nossa comida?

Leia com atenção às próximas dicas que estão logo abaixo e coloquem todas em prática para que você consiga rever o que pode ser melhorado em suas compras e economizar ao máximo.

Gostaríamos de lembrar também que estas dicas podem ser igualmente aplicadas tanto para as compras nos supermercados, quanto nos hortifruti e nas feiras livres.

1) Monte o seu cardápio semanal: antes de sair de casa a fazer suas compras, crie um cardápio semanal, principalmente se você não tem muito tempo para cozinhar ou se você não tem muita intimidade com a cozinha. Isso ajudará a não desperdiçar tempo desnecessário cozinhando vários tipos de comida diferentes em uma única semana. Também não perderá dinheiro, pois você saberá exatamente o que comprará.

2) Faça listas SEMPRE que sair para fazer as compras e SIGA fielmente a esta lista: JAMAIS saia de casa para ir ao supermercado sem sua lista de compras. Deixe-a em um local que seja visível e que todos possam ler e preencher. E claro, siga à risca o que está nela. Nada a mais, nada a menos. Evite ao máximo fugir ou comprar produtos que não estão contidos nela.

3) Crie uma rotina de compras: Evite ir ao mercado todos os dias (existem muitas pessoas que vão ao mercado TODOS OS DIAS) e crie uma rotina para fazer as compras de forma estratégica. Saiba quais os supermercados que são próximos à sua casa e os produtos que tem os melhores preços.

4) Não compre SOMENTE pelas marcas: Não se prenda apenas às marcas dos produtos de que gosta ou está habituada (o) a comprar. Muitas vezes nem olhamos o preço, apenas colocamos no carrinho.Aproveite para experimentar novos produtos de marcas que nem sempre estamos acostumadas (os), que são mais baratos e que podem ser tão boas quanto as que já compramos sempre.

5) Evite ir ao Supermercado com fome: Esta dica não parece, mas é muito importante. Faça uma refeição antes de ir ao mercado. Quando vamos ao mercado com fome, instintivamente compramos a mais e tendemos a comprar produtos para comer logo, principalmente os biscoitinhos e “besteirinhas” de que tanto gostamos e que não são nada baratas. Portanto, não vá correndo ao mercado, coma antes de sair de casa.

6) Aproveite os alimentos da estação do ano: Fique atenta (o) sempre aos alimentos da estação, pois eles são mais abundantes e neste período que há mais oferta deles, o preço tende a ser menor. Além disso, nosso cardápio fica variável.

A alimentação é um item essencial em nosso orçamento. Não conseguimos sobreviver sem nos alimentar por muito tempo, é uma necessidade básica. Portanto, saiba exatamente o que está comprando e como está gastando no supermercado. Revise sempre que possível os itens de suas compras. Nós mudamos nossos hábitos e nossa comida não está fora desta mudança. Siga as dicas que foram apresentadas e veja os resultados no seu bolso.


Autoria: Aimée Rissi – Personal Organizer especialista em organização financeira.

Organização pessoal e negócios


Como dar conta de tantos papéis e ainda ter tempo para fazer uma transição de carreira ou até mesmo montar um novo negócio?
 
O fato é que temos que olhar para isso com muita cautela e discernimento pois existem coisas no nosso dia a dia/agenda que são inegociáveis, isto é, não dá para mexer de jeito nenhum!!
 
Organização pessoal e negócios faz parte de nosso trabalho e este foi um dos temas das palestras que ocorreram no dia 2 de setembro de 2021 no stand da ANPOP na AB Casa Fair, o maior evento de negócios voltados para decoração, casa, utilidades domésticas e afins, que reuniu mais de 300 expositores e visitantes do mundo todo.
 
Então vamos lá a 3 dicas que separamos para vocês sobre este tema:
 
1.    Analise quanto tempo você teria livre na sua agenda atual para começar a pensar em montar um novo negócio ou fazer um planejamento para uma transição de carreira.  
 
2.    Outra questão é sobre o autoconhecimento: é o primeiro passo para você saber como você funciona em relação a suas emoções X gestão do tempo. É muito comum as pessoas ficarem muito ansiosas e quererem que tudo aconteça para ontem, mas é importante respirar, ver como ficam os inegociáveis de agenda e o que a pessoa está disposta a abrir mão em prol do que deseja preservar.
 
3.    Identifique suas prioridades, veja o que você dá conta de fazer sozinho/a e quais coisas você vai precisar de ajuda, delegar, terceirizar e/ou monitorar.
 
Gostaríamos de terminar lembrando que a organização vem de dentro para fora, organizando os pensamentos você acaba ajustando suas ações, por isso nada de se desesperar ou achar que organizar é chato e engessado, nada disso, organização, negócios e qualidade de vida andam de mãos dadas, talvez exija um pouco mais de esforço no início, mas depois fica fácil e é algo que qualquer pessoa pode conquistar.  Contem conosco sempre para lhe ajudar!
 
 
Por Cristiane Belfiore – Personal Organizer – Especialista em Organização pessoal e Negócios

O que é Gestão da Economia Residencial?

A Gestão da Economia Residencial é uma área da Organização cujo profissional identificará os problemas financeiros em uma residência e trará soluções para a redução e/ou corte de custos para seu cliente.

As contas são analisadas uma a uma e além disso e, de forma personalizada, é observada a rotina familiar. É bem provável que algumas mudanças ocorram, e estas serão realizadas buscando uma melhor qualidade de vida para todos que convivem em seu lar.

Neste nicho de Organização o trabalho pode começar pelas Finanças, quando se coloca em seu devido lugar tudo o que entra (receitas) e o que sai (despesas). A partir daí, trabalha-se para que o cliente encontre um equilíbrio em sua conta para que consiga ter suas contas em dia, aproveite o presente e cuide de seu futuro.

Além disso, é analisada a rotina da família e como esta rotina pode ser adaptada para trazer mais eficiência para todos os moradores. Rotina alimentar, atividades escolares e extraclasse dos filhos, viagens, rotina de limpeza entre outros. E claro, não poderíamos deixar de incluir a Organização dos espaços, pois um lar organizado proporciona muita economia, evitando desperdícios.

Para você começar agora mesmo a praticar você mesma (o) as técnicas da Gestão de Economia Residencial, precisará escolher onde se dedicará. Ou as Finanças ou a Organização da Casa ou a Organização da Rotina. Aos poucos trabalhe nesta área inicial e agregue as demais demandas aos poucos. O mais importante é decidir mudar e começar a fazer já e não fazer tudo ao mesmo tempo para não se perder.

E para finalizar, deixamos aqui algumas dicas para você começar a economizar tempo e dinheiro nas atividades de sua rotina e de sua família:

1) – Saiba o quanto ganha e o quanto gasta: Para saber exatamente a quantia que deverá economizar e com quais despesas deverá reduzir ou até mesmo cortar, você deverá fazer as anotações (em um caderno ou planner financeiro ou aplicativo ou planilha) de todas as suas entradas e todas as suas saídas. Isso te trará um “norte” por onde deverá começar a poupar e aos poucos fazer sobrar dinheiro.

2) – Faça listas SEMPRE que sair para fazer as compras e SIGA fielmente a esta lista: uma outra dica ótima para economizar dinheiro e otimizar muito o seu tempo é fazer a lista de compras e segui-las à risca. O ideal é fazer para o que comprar: mercado, hortifruti, feira livre, roupas para a família, presentes de Natal, material escolar dos filhos, farmácia entre outros. É um detalhe que faz toda diferença. Um detalhe importantíssimo: não faça a lista de compras faltando 5 minutos para sair de casa. É um perigo montá-la correndo e a chance de se esquecer de algum item da lista será gigantesco. Deixe a lista exposta em algum lugar da casa que todos possam ver e monte aos poucos.

3) – Mantenha a casa organizada: pode parecer que não, mas a casa organizada proporcionará a você e sua família mais eficiência, otimização do tempo e uma “folguinha” no bolso. Não é raro encontrarmos clientes que possuam 10 frigideiras, 100 potes, 3 blusas com a mesma cor, modelo e tamanho, muitos cosméticos, maquiagens, alimentos e remédios vencidos etc. E isso só pelo fato de sua casa não estar organizada. Não há necessidade de fazer a organização de uma vez. Basta escolher um cômodo e todo dia separar 15 minutinhos cronometrados para fazer aos poucos e sem pressão. Você verá a diferença no fim do trabalho.

4) – Evite desperdícios em suas contas básicas: alguns pequenos detalhes podem fazer a diferença em sua conta de água, luz e gás, por exemplo. Medidas como estas: abrir a geladeira apenas quando necessário, não carregar o seu celular a noite toda, apagar a luz quando sair de um cômodo, enquanto escovar os dentes, manter a torneira fechada e usar a máquina de lavar apenas quando estiver na sua capacidade máxima são exemplos de atitudes que você e sua família poderão tomar para diminuir um pouco as contas de sua casa.

5) – Planeje com toda a família: procure envolver a família SEMPRE que mudar sua rotina, organizar a sua casa ou o seu dinheiro. Saiba que sozinha (o), o trabalho fica mais pesado. Sendo assim, entenda que não damos conta de tudo. Precisamos de todos aqueles que convivem conosco para que as atividades sejam feitas de forma mais rápida e que não sobrecarregue ninguém.

Ser uma pessoa organizada não é ser metódica (o), nem ter T.O.C. (transtorno obsessivo compulsivo – o que é um problema e deve ser tratado). É apenas procurar medidas para ter uma vida mais equilibrada, mais leve e mais feliz.

Pense muito bem nisso.


Autoria: Aimée Rissi – Personal Organizer especialista em organização financeira.

Porque é importante ser uma pessoa organizada

Implementar um sistema de organização que funcione pode ser um grande desafio para muita gente. Algumas pessoas precisam buscar ajuda profissional não só de um Personal Organizer como também de um Psicólogo, a fim de identificar o que causou a desordem, em que área da vida ela está e então, a partir daí, prosseguir. Por sua vez, quem é organizado, consegue planejar melhor as tarefas do dia, distribuir melhor o tempo entre suas prioridades e viver e trabalhar num lugar bom de se estar.

A organização facilita nossa vida de uma maneira significativa, e aqui estamos falando de todos os tipos de organização, desde a dos objetos e ambientes da casa e do trabalho, como a de rotinas e organização mental. O que acontece é que, ao sabermos onde está tudo que necessitamos, ou termos claro o que precisa ser realizado para chegar onde desejamos chegar, nosso dia a dia fica mais simples, mais leve, produtivo e feliz, proporcionando uma maior saúde mental, maior rentabilidade e equilíbrio emocional.

A organização está associada ao comportamento, portanto nada de procrastinar na hora de arrumar as coisas da casa e do trabalho. “Faça na hora o que demorar até 3 minutos” talvez seja a dica mais importante que podemos lhe dar, pois ao tirar da frente uma série de coisas pequenas você acaba se tornando mais produtivo, aliviado, disposto e focado no que realmente interessa.

Em meio a um cotidiano corrido e estressante, alertamos para uma outra coisa: não se iludam em querer resolver a vida em um dia, organizar a casa, o home office, os arquivos do computador e criar novas rotinas, pessoais e profissionais tudo num dia só, não vai rolar, isso faz parte de um projeto, e é um processo de organização que pode funcionar bem melhor se for aos poucos, portanto se planeje de forma que a execução seja viável, pois não adianta colocar um monte de tarefas na sua agenda e esperar que da noite para o dia tudo esteja feito, você precisa, e isso sim, se planejar de acordo com sua realidade de tempo atual, pois vai precisar não só de tempo como também de energia para executar essas mudanças.

A organização facilita nossa vida de uma maneira significativa, é um fator que só traz vantagens para nossa rotina, gerando mais retorno no trabalho e fazendo com que sobre mais tempo para o lazer. Experimente!

Por Cristiane Belfiore – Personal Organizer – Especialista em Organização pessoal e Negócios

Como agregar valor ao seu serviço

Nesse último ano nós empreendedores, passamos momentos bastante desafiadores em nosso negócio para que ele continue dando frutos e permaneça competitivo no mercado com tudo que vem acontecendo no mundo, afinal vivemos tempos de crise na economia, sem contar um bom aumento da concorrência no mercado da organização. Mas, uma coisa é certa e o velho ditado diz: enquanto uns choram, outros vendem lenços, não é mesmo? E enquanto parte do povo gosta de lamuriar-se, outra parte aproveita para beneficiar-se disso.   

Levando em conta esse cenário, pensamos em dividir com vocês algumas dicas que poderão auxiliar bastante e ser muito úteis para vocês virem a fazer bons negócios, agregando valor a eles, atraindo mais clientes e o principal, mantendo esses clientes. Legal, né?

E primeiro de tudo vamos entender o que é agregar valor. Nada mais é que ofertar aos seus clientes uma experiência, algo a mais e diferente do que outro serviço igual ao seu está oferecendo. Valor é algo que o cliente valoriza e que de certa forma, atende as suas necessidades, portanto agregar valor é adicionar algo mais, é ir além do habitual e de tudo que é visto como “normal” no seu negócio. E para isso é preciso que se identifique quais são as deficiências da área que você atua, quais são os pontos críticos e então investir em resoluções que gerem relevância, que faça o seu negócio diferenciar-se, no mercado, valorizar sua marca, produtos e serviços que você oferece.

Separamos nove pontos a serem adotados, mas antes, analise o seu momento e se fizer sentido para você, coloque em prática, beleza?

1 – Tenha um atendimento diferenciado – Se preocupe em atender bem o seu cliente, seja online ou presencial. Tenha em mente que esse é o setor mais importante do seu negócio.

2 – Tenha comprometimento com a qualidade – Procure sempre entregar o seu melhor, seu melhor serviço, seu melhor produto;

3 – Acrescente valor a sua marca – Pesquise sobre as necessidades do seu cliente e mostre a ele como o seu serviço irá atender a essas necessidades, fazendo com que a sua oferta desperte então nele o interesse. Sonde como os seus concorrentes oferecem esse serviço e veja como ajustar o seu.

4 – Construa a ideia da sua marca – Determine os aspectos que serão capazes de compor a opinião do cliente e influenciar o mesmo na decisão de comprar ou não o seu produto ou serviço. Podemos exemplificar aqui o seu atendimento, a qualidade do seu serviço e o preço que você cobra. Por isso, tenha uma comunicação explícita, que não deixe dúvidas.

5 – Apresente benefícios e não particularidades – Não perca tempo falando das peculiaridades do serviço. Você tem que focar em falar sobre os benefícios que o seu serviço irá proporcionar a ele. Por exemplo, não adianta falar sobre dobras perfeitas no closet e sim sobre os benefícios que ele terá no dia a dia com a organização do closet.     

6 – Se você quer mesmo fechar o projeto, solucione problemas – Convença o cliente que você tem a solução certa para o problema dele e que essa solução é simples de resolver a seus olhos. Apresente a funcionalidade, a utilidade e de que forma o seu serviço vai resolver o problema ou atender a demanda dele.

7 – Seja o santo milagreiro que ele vem buscando e ainda não encontrou – Utilize formas atrativas, frases tentadoras que tenham as palavras como: economizar, garantia, grátis, brinde, resultados. Outro detalhe importante, é sempre usar o nome do cliente toda vez que se referir a ele. É muito bom manifestar pessoalidade na relação.

8 – Use de argumentos e não de adjetivos – Aqui dá até para apelar um pouco para o emocional, falando o que o seu serviço irá proporcionar em ganhos para ele no que se refere a família, amigos, laser.     

9 – Invista pesado em relacionamento – É fundamental que você construa e mantenha um vínculo com o seu cliente, porque isso irá abrir espaço para a confiança entre as partes, facilitando o fechamento do projeto e tornando você o protagonista da sua marca.

E então, gostou?

Esperamos que você comece ainda hoje a aplicar essas ações e observe a grande mudança que irá ocorrer no seu negócio. Bora lá …

Por Morgana Portella – Personal Organizer – Especialista em Rotinas e Home Organizer

15 dicas para alcançar o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional

Em inglês, o conceito conhecido como Work-life Balance, significa a harmonia entre os setores da vida, que engloba grosso modo falando, ter tempo e disposição para o trabalho, vida pessoal e familiar. A métrica chamada Better-Life Index, que compara o equilíbrio entre vida pessoal e profissional em todo o mundo, foi criada pela OCDE: Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Ela afirma que a capacidade de combinar com sucesso trabalho, vida pessoal e familiar é muito importante para o bem-estar e produtividade de todos.

Quando percebemos que estamos com menor rendimento no trabalho, dores em geral e desgaste nos relacionamentos, é hora de parar e avaliar como andam as coisas. Mas será que esse tão sonhado equilíbrio é possível mesmo? Só você vai poder responder isso, porém, via de regra, somos partidárias do princípio que onde a gente coloca atenção, as coisas expandem e se ajeitam, então vamos lá! Abaixo listamos algumas dicas para organizar suas ideias, atitudes e ações que podem lhe ajudar a chegar no tão sonhado equilibrio entre vida pessoal e profissional:

  1. Medite e exercite-se todo dia.
  2. Seja prático.
  3. Não dramatize, faça o que precisa ser feito e pronto.
  4. Planeje seu dia.
  5. Compartilhe e delegue responsabilidades.
  6. Use a agenda a seu favor.
  7. Otimize seu tempo.
  8. Aprenda a controlar a ansiedade.
  9. Respeite seus limites.
  10. Observe os sinais do seu corpo.
  11. Afaste-se de pessoas negativas.
  12. Faça coisas positivas por você.
  13. Fique perto de quem te faz bem.
  14. Peça ajuda sempre que precisar.
  15. Deixe os assuntos do trabalho no trabalho e os de casa em casa.

Que tal, vamos experimentar?

Por Cristiane Belfiore – Personal Organizer – Especialista em Organização pessoal e Negócios

Mês de férias escolares! Como se divertir sem sair do orçamento?

O mês de julho está quase terminando, mas as férias de algumas crianças ainda não! Alguém lembra de como contávamos os dias para podermos “ser livres” ? Acordar sem despertador, assistir televisão até a hora que quisesse, brincar com amigos até tarde.

Acreditamos que vocês também devam ter muitas histórias para contar que aconteceram durante as suas férias. E assim também não será diferente com suas crias. É um momento único e que o tempo não poderá fazer voltar.

Resolvemos compartilhar algumas dicas valiosíssimas para você investir com seus filhos. Financeiramente falando, a nossa proposta é que você consiga aproveitar muito esses dias sem descontrolar seu orçamento. Sim, é possível!

Quem disse que para fazer os filhos felizes, precisa gastar “rios de dinheiro”? Quem disse que os seus filhos quando crescerem vão se lembrar do tanto de brinquedo e de presentes que gasta dando a eles? 

Vamos às dicas então? Lá vai!

1) Há vida além do shopping! Todas gostamos demais de ir ao shopping, quem não gosta, né? Porém, para quem está precisando cortar gastos, ou precisa controlar um pouco mais as contas, precisa usar a criatividade para ir com menos frequência a este lugar onde se oferece tantas tentações para nós. A dica não é: Nunca mais vá ao shopping! Mas podemos sugerir o seguinte: Coloque o shopping como uma das últimas opções de lazer durante as férias. Procure outros lugares (que serão mencionados nas próximas dicas) e atividades que possam gastar menos e passar mais tempo com eles.

2) Faça atividades lúdicas, que gastem pouco. Pintar, desenhar, brincar de massinha, de videogame, jogos de tabuleiro, jogo de mímica, entre outros distraem, divertem e ao mesmo tempo ensina. Sem falar que você utiliza os brinquedos que as crianças já possuem em casa. Pode ser o momento inclusive, de vocês juntos pegarem aqueles brinquedos que estão escondidos no armário e verificar se ainda são da faixa etária deles ou se não querem mais brincar com eles.

3) Em tempos de pandemia, explore espaços a céu aberto e arejado: Você tem brincado com seus filhos, no play do prédio? Tem saído para passear com eles em um parque perto de sua casa? Caso você tenha acesso para ir a locais públicos, por quê não sair de casa com eles para fazer um piquenique? Saia com eles para andar de bicicleta, andar de patins, de patinete. Saindo um pouco de casa e gastando menos, tá valendo!!!

4) Festa do Pijama e rodízio na casa dos amiguinhos também ajuda! Se seus filhos já tem a turminha de amiguinhos, a dica é fazer algumas festas do pijama. Sabemos que terão muitos pais que não irão gostar muito da ideia, mas eles NUNCA vão se esquecer de quando dormiam na casa dos coleguinhas. Sim, o trabalho fica TODO com os pais. Mas podem confiar, eles vão te agradecer por terem a oportunidade de fazer bagunça com os amiguinhos. A gente nunca se esquece das noites “não dormidas” na casa das amigas e elas em nossa casa. Financeiramente falando, você vai poupar com gastos de comida fora de casa, com despesas como estacionamento, ingressos, lanches e as coisas extras que sempre aparecem. Mas emocionalmente falando, você vai proporcionar a elas momentos inesquecíveis, que dinheiro nenhum neste mundo pode pagar. Pense bem nisso.

5) O tempo é o que há de mais valioso para investir com eles. Você já parou para pensar nas lembranças de infância que você teve? Estas lembranças são ligadas somente aos brinquedos que ganhou OU também possuem os momentos de brincadeiras e com os amiguinhos, com os primos, com seus pais e avós jogando e passando o tempo com você? Então nós sugerimos fortemente que você aproveite AO MÁXIMO o pouco tempo que tem de seus dias (sim, temos pouco tempo do nosso dia para estar com os filhos) para se dedicar aos seus filhos. Quanto mais tempo educando, instruindo, ensinando e brincando com eles, melhor. O tempo é uma das coisas mais valiosas que temos e devemos usá-lo da melhor maneira possível.

Aproveite este período e divirta-se muito com seus filhos. Eles merecem brincar e ter tempos preciosos com você. Pense nisso.

Autoria: Aimée Rissi – Personal Organizer especialista em organização financeira.

Como criar rotinas pós pandemia


A pandemia nos trouxe muitas tristezas, perdas de pessoas queridas, perda de emprego e readequação da forma que trabalhávamos, porém fez com que a humanidade tivesse que adaptar suas rotinas para uma realidade e necessidade imediata. Agora, a pouco mais de um ano do acontecimento dessa disruptura com padrões e um mundo que já não existe mais, precisamos repensar no nosso dia a dia.

Com a vacinação em massa acontecendo pelo mundo, com o retorno, parcial ou não, das aulas escolares, e com o sistema híbrido de trabalho para quem não é autônomo, é a hora de passar um pente fino na vida, rever as experiencias e ajustar as rotinas para melhor gestão do seu dia a dia.
 
Vale lembrar que é hora de rever o que realmente faz sentido e importa para você na sua vida e o que é possível implementar baseado na sua realidade do momento, tanto o essencialismo como o minimalismo tratam disso, onde falaremos futuramente um pouco sobre estas questões também. Abaixo listamos algumas sugestões para lhe guiar nessa nova fase:
 
1.    Não seja tão rigoroso/a com você mesmo, saúde física e mental em primeiro lugar, então já sabe.
2.    Se seu corpo e alma não estiverem bem cuidados não tem o resto, portanto, se você ainda não implementou atividade física, alimentação equilibrada e meditação, corre e faça isso já.
3.    Equilibre as partes entre você, familia e trabalho.
4.    Defina prioridades e mantenha o foco, não parando até chegar aonde você deseja chegar.
5.    Coloque data para resolver questões profissionais, avalie seus gastos e ganhos e foque no que lhe trouxer maior resultado com menor esforço.
6.    Respeite os horários da sua nova rotina porém, quando e se necessário, seja flexível.



 
Por Cristiane Belfiore – Personal Organizer – Especialista em Organização Pessoal e Negócios
 
 
 
 

A organização vem de dentro para fora ou é ao contrário?

Essa é uma boa reflexão: a organização vem de dentro para fora ou é de fora para dentro?

Muitas vezes nossa bagunça interior é tão grande quanto aquela que a gente vê no nosso ambiente, isso porque nosso trabalho e/ou casa é um reflexo de como estamos por dentro.

Um ambiente desorganizado e uma rotina bagunçada pode ser o resultado de uma mente desorganizada. Para fazer essa “organização emocional/faxina mental” e obter resultados significativos, listei abaixo algumas sugestões:

  • Uma visita ao passado: veja se em algum lugar do passado alguém lhe magoou, criticou, ofendeu etc. e tal e perdoe, perdoe pais, professores, amigos, colegas de trabalho etc., assim você limpa a mágoa acumulada e se livra daquele sentimento podendo prosseguir livremente.
  • Escreva: quando escrevemos conseguimos perceber melhor nossos sentimentos e pensamentos, e então a partir daí tomar decisões para podermos prosseguir de forma mais organizada.
  • Crie rotinas: precisamos de um caminho a seguir, um passo a passo, um mapa, um roteiro para o dia, porém com bom senso suficiente para que, se for necessário, a gente possa acessar um Plano B. Sugiro que você estabeleça rotinas para o período da  manhã e noite, isso fará com que você tenha um dia mais organizado, leve, produtivo e feliz e um descanso em paz e restaurador.
  • Medite: meditar vai fazer você acalmar a mente e silenciar por dentro. É um exercício poderoso que traz uma sensação de paz, equilibrio, plenitude, clareza e higiene mental. Com a prática e persistência essa clareza vai aumentando e  transparecendo no seu dia e ambiente. 

Então, para responder se a organização vem de dentro para fora ou de fora para dentro, arriscaríamos dizer que se ela vier de dentro para fora ela é mais sustentável.

Continuando o raciocínio, quando o ambiente ou as rotinas estão organizadas, elas contribuem para o atingimento da sua paz e organização interior, então de qualquer forma existem ganhos com a organização, então esse tipo de informação/raciocínio pode servir para você, algum familiar, amigo ou para o cliente que você vai atender, então fica a dica! 

Por Cristiane Belfiore – Personal Organizer – Especialista em Organização pessoal e Negócios